No artigo desta semana vamos abordar uma oportunidade de mercado, para o pós-Covid-19, que está a ser identificada pelos académicos e profissionais do turismo: a procura crescente por destinos menos conhecidos e menos massificados.   

Mas antes de tudo, deixamos aqui um desafio. Comece por pensar nas respostas do seu destino às seguintes questões:

  • O que diferencia o meu destino dos concorrentes?
  • Qual o perfil do turista que pretendo para o meu destino?
  • Que produtos turísticos devo promover?
  • Como deve ser o meu posicionamento no mercado?
  • Em que meios digitais devo atuar? E no offline?
  • O que deve conter a minha campanha de marketing digital?
  • Que pressblog trips devo dinamizar?
  • Em que feiras do turismo devo participar?
  • Que tipo de investidores pretendo atrair para o meu destino?
  • Que ações devo tomar a curto prazo? E a médio? E a longo?

Porquê agarrar esta oportunidade? E porque é que os agentes turísticos estão, cada vez mais, a trabalhar nesta tendência? 

De acordo com a última edição do Barómetro do Turismo® do IPDT – lançada a 24 de julho de 2020 – os turistas, no período pós Covid-19, vão aumentar a procura por destinos menos conhecidos, que estão no topo das preferências dos viajantes no momento da escolha dos locais para visitar.

A procura por destinos tradicionalmente menos procurados foi, aliás, identificada como uma das principais tendências do turismo, avançada na Revista Turismo’20 – desenvolvida pelo IPDT – Turismo e Consultoria. E, tendo em conta o contexto em que nos encontramos, a popularização de destinos menos massificados revela-se como uma oportunidade única para que estes locais possam crescer de forma sustentável e consciente, com benefícios sociais e ambientais.

O que é que o turista procura quando visita um destino menos conhecido? 

Tranquilidade

Um ritmo da viagem mais calmo para poder usufruir de toda a experiência de forma relaxada.

Autenticidade

Por norma, estes destinos mantêm a originalidade das suas tradições, sendo estas muito próximas às suas origens. Há também uma maior preservação dos recursos naturais, com a natureza a assumir-se como um dos maiores atrativos. Com os turistas a estarem mais conscientes e exigentes no que concerne ao respeito pela biodiversidade e pelo planeta, estes fatores motivam-nos a escolher estes locais.

Compromisso

Ao visitar um destino menos conhecido, o turista está a comprometer-se com um tipo de turismo mais sustentável. Levar a cabo ações que visam desconcentrar a visita do turista ao longo do ano e distribuí-la por todo o território são fatores-chave para a sustentabilidade do destino.

Porque razão o turista vai escolher viajar para o meu destino?  

Acessibilidade

Mais do que nunca os acessos – aéreos e terrestres – oferecem-nos oportunidades para alcançar, em poucas horas, todas as partes do mundo. Atualmente, um avião precisa de pouco menos de 33 horas para dar uma volta ao mundo. Relembremos que no sec. XVI Fernão de Magalhães precisou de mais de 3 anos para completar esta mesma viagem!

Em Portugal, e tomando como ponto de partida Porto, Lisboa ou Faro, é possível chegar a qualquer destino nacional em menos de 3 horas, beneficiando dos bons acessos rodoviários e aéreos.

Informação Digital

A informação disponível é também um ponto a favor dos destinos menos conhecidos. A internet possibilita que, a qualquer momento, o turista possa consultar informação sobre estes destinos, conhecer as suas atrações e inclusive reservar uma viagem.

Por esse motivo, é fundamental que os destinos retirem o máximo partido do digital.

Uma boa campanha de marketing digital poderá trazer resultados brilhantes para a promoção de um destino ou negócio turístico. Um estudo do IPDT, disponível para consulta na Revista Turismo’20, revela que a maioria dos destinos nacionais ainda aposta pouco nos canais digitais, o que poderá afetar o seu desempenho e posicionamento junto dos públicos.

Redes Sociais

As redes sociais constituem uma grande oportunidade para todos os negócios, sobretudo quando falamos em notoriedade e alcance. Por exemplo, a partilha de imagens e vídeos na rede social Instagram, impacta ativamente a escolha da viagem.

Um estudo do IPDT revela que 3 em cada 10 viajantes escolhem as férias com base nas fotografias que vão poder tirar para partilhar nas redes sociais. A distância não é barreira desde que seja possível captar momentos e paisagens únicas.

Repetição da viagem

Quem nunca regressou aos destinos onde já foi feliz? É precisamente na repetição da viagem a destinos onde já estiveram, que os turistas se encontram mais aptos para visitar locais próximos e menos conhecidos. O facto de nas viagens anteriores terem visitado as principais atrações de um determinado destino, abre a porta – por via da curiosidade e da procura pela novidade – para que o turista “entre” em destinos menos visitados.

É, assim, fundamental que os destinos – sobretudo os menos conhecidos – aproveitem este momento crucial. O primeiro passo será definir claramente uma estratégia para o turismo.

Partilhe este artigo com os seus parceiros e debata as respostas do seu destino às 10 questões iniciais. 
>