A Geração Z já tem impactos na indústria turística, mas o seu efeito está ainda longe de se fazer sentir em pleno.

 

Quem são?

Indivíduos nascidos a partir de meio da década de 90 são considerados como parte da Geração Z, todavia, entre os vários especialistas da área, não é consensual o ano até o qual deixam de o ser. Alguns apontam o ano de 2005, enquanto que outros alargam o espectro até, no máximo, 2016.

 

AS 3 MUDANÇAS QUE VÃO IMPOR AO SETOR DO TURISMO

A adaptação do mercado turístico à Geração Z será complexa e longa, contudo existem 3 áreas que as empresas e os agentes devem privilegiar:

1. ESTAR – Presença online

As empresas turísticas que não apostem numa presença online não vão conseguir atrair a atenção da Geração Z. Estes viajantes procuram informação e soluções para os seus problemas, curiosidades e inspiração nos vários canais online. Ou o produto turístico está online ou deixa de existir. Estudar que canais os Z’s privilegiam é um trabalho essencial: que bloggers ou YouTubers seguem; quais as redes sociais populares mas que ainda lhes dão alguma privacidade; ou de que forma pesquisam nos motores de busca.

2. SER AUTÊNTICO – Oferta de experiências

Esta geração valoriza a experiência nas suas viagens, mais do que as gerações anteriores (à exceção dos Millennials). Querem que a sua viagem seja autêntica, real. Apesar desta geração ter, mais do que outras, o preço como fator determinante da procura turística, está disposta a pagar um valor extra para disfrutar de “once-in-a-lifetime experiences”. Depois de atraídos ao destino por fotografias e vídeos de outros viajantes (conhecidos ou influencers digitais), os Z’s querem viver as experiências retratadas. Mas, além disso, precisam que a experiência possa ser partilhável.

3. SER RÁPIDO – Rapidez na resposta

Estes jovens nasceram com a resposta para todos os seus problemas no smartphone ou tablet. Mais do que qualquer outra geração, esta exige respostas rápidas (e fáceis) e o setor do turismo deve estar preparado para isso. Este facto justifica a crescente utilização das aplicação de mensagens pelos Z’s, sendo que algumas empresas já têm Chatbot’s (ou apenas Bot’s) que, de forma automática e através do recurso a inteligência artificial, conseguem responder às questões colocadas e resolver problemas.

 

Para mais informação sobre a Geração Z propomos a leitura da Revista Turismo’18, lançada pelo IPDT.

>