was successfully added to your cart.

Carrinho

Cada vez mais os destinos e agentes estão sensibilizados para a importância do digital. As soluções digitais continuam a ser a grande aposta para chegar a um público mais alargado e para captar turistas. Mas isto significa que a era dos materiais impressos chegou ao fim? O que pensam os turistas?

Um estudo internacional realizado em 2019 pelo Centro de Marketing e Tecnologia da Universidade de Bentley em parceria com a Visitor International chegou a conclusões interessantes que demonstram que os materiais impressos continuam a ser valorizados pelos visitantes:

  • Em média, 79% dos visitantes pega numa brochura;
  • Depois da pesquisa online, as brochuras impressas são a segunda fonte de informação mais popular no planeamento de viagens, com uma taxa de utilização de 52%;
  • 85% dos visitantes ficaram a conhecer uma atração ou negócio local após consultarem um folheto;
  • 61% dos visitantes planearam comprar bilhetes ou merchandising que ficaram a conhecer através de um folheto;
  • 73% dos visitantes considerariam alterar os seus planos por causa de informações contidas num folheto.
Fonte: Bentley University

 

Estes resultados sugerem que os visitantes, ao planearem a sua viagem, são influenciados pelos diversos canais de marketing, desde canais digitais (web, mobile e apps) a canais impressos, mais até do que através dos meios de comunicação tradicionais.

Os materiais impressos são tangíveis e confiáveis, transmitem uma ideia de verdade, longevidade e criam uma ligação emocional que os ecrãs ainda não conseguem.

O ideal é combinar todos os meios, otimizando todos os canais de marketing disponíveis, de forma inteligente e criando sinergia entre eles. De que forma?
A maneira como os folhetos são usados no setor do turismo evoluiu muito nos últimos anos. Os folhetos costumavam ser a única forma de anunciar viagens, férias e atrações, o conteúdo era um labirinto de informação com preços, destaques e promoções. Hoje em dia podemos tirar partido do melhor de cada meio disponibilizando informação relevante e duradoura nos materiais impressos, e reservando informações que sofrem constantes atualizações para o digital. Assim, podemos dizer que nos materiais impressos devemos privilegiar o conteúdo “best of” e, sempre que necessário, encaminhar o visitante para o site para obter informações complementares.  Mas um dos principais motivos que levam agentes e destinos a privilegiar os canais digitais, para além de uma redução significativa de custos, é a preocupação com a sustentabilidade ambiental. 

Materiais promocionais podem ser sustentáveis?

Hoje em dia as preocupações ambientais estão presentes em qualquer atividade industrial, desde a indústria do papel, das tintas às próprias gráficas. Para começar, é importante escolher uma gráfica que seja um exemplo de boas práticas de sustentabilidade ambiental.

Já do ponto de vista técnico, no que toca à escolha de materiais e acabamentos, o objeto impresso poderá ser mais sustentável se os seguintes pontos forem tidos em consideração:

  • privilegiar formatos que minimizem o desperdício de papel
  • evitar papéis revestidos
  • evitar tintas florescentes e metálicas (pois contêm metais pesados)
  • optar por vernizes de base aquosa
  • escolher papéis com certificado FSC (Forest Stewardship Council), estes são papéis que advêm de árvores plantadas apenas para o efeito
  • escolher materiais e acabamentos que permitam que o objeto seja reciclável

No que toca ao design gráfico, o objetivo deverá ser sempre: reduzir materiais e processos de produção, prolongar a vida útil do objeto impresso e, em último caso, reciclar.

Assim, devemos sempre pensar nos materiais promocionais impressos como algo que acrescenta valor e perdurará no tempo. Para isso, a estética deverá ser sempre muito cuidada e a informação que contém deverá procurar diferenciar-se da informação disponibilizada nos meios digitais. Uma excelente forma de evitar o rápido descarte é apelando ao colecionismo: seja através de ilustrações exclusivas, de fotografias inéditas, ou de textos que nos contem uma história.

>