O Património é um dos traços mais fundamentais da história da humanidade, nas suas diferentes escalas territoriais. Proteger os recursos permite não só preservá-los para que as gerações futuras os possam usufruir, mas também para valorizar e potenciar a sua notoriedade, sobretudo através do turismo.

Efetivamente, o turismo representa um dos mais importantes mecanismos de valorização e proteção do património. O aumento das visitas turísticas é um reflexo das classificações dos bens patrimoniais que, como consequência positiva, estimulam os visitantes a compreender e interpretar as origens e a sua história.

A UNESCO veio estabelecer um padrão internacional que tem, nas classificações ou inventariações de recursos como Património Mundial, mecanismos de proteção e valorização aplicados em todo o mundo. Face à importância excecional destes elementos a sua proteção é prioridade máxima, sendo que se encontra prevista a inscrição em sistemas de salvaguarda, sempre que um elemento se encontre em situações que requeiram maior cuidado e proteção, como: catástrofes naturais, áreas de conflito armado, situações graves com efeitos resultantes das alterações climáticas, entre outros.

À escala da UNESCO dois dos mais importantes mecanismos de proteção do património em perigo são:

  • A Lista de Património Mundial em Perigo – para património cultural e natural material
  • A Lista do Património Cultural Imaterial que necessita de salvaguarda urgente

De seguida, apresentamos dois exemplos de recursos inscritos nas listas acima e que, provavelmente, desconhece que se encontram em perigo:

Centro Histórico de Viena

Está classificado como Património Mundial da UNESCO desde 2001, pela sua excecional concentração de arquitetura barroca, os monumentais jardins públicos, assim como a sua dinâmica histórica e musical.  Contudo, uma evolução construtiva desgovernada ao longo dos últimos anos, colocou em causa a sustentabilidade da identidade do Centro Histórico de Viena, fator que evidenciou a necessidade de atuar e proteger este elemento, sob pena de perda.  O Centro Histórico de Viena encontra-se, assim, inscrito na Lista de Património Mundial em Perigo, desde 2017.

Processo de manufatura da Olaria Preta de Bisalhães

A manufatura da Olaria Preta de Bisalhães é um processo ancestral, originário de Vila Real, que passa por cozer as peças feitas pelos oleiros em fornos abertos na terra, utilizando técnicas de que conferem a cor negra às peças de barro.

O facto da prática desta atividade se encontrar inscrita nos saberes imateriais das comunidades, muitas vezes não registadas, coloca-a suscetível à perda, a curto-prazo, sendo que proteger esta tradição é prioritário. Face à sua preponderância internacional, o processo de manufatura da Olaria Preta de Bisalhães encontra-se inscrito na Lista do Património Cultural Imaterial que necessita de salvaguarda urgente, da UNESCO, desde 2016, com o objetivo de estimular iniciativas de proteção e valorização desta tradição.

>