Muitos destinos estão a implementar políticas com o objetivo de diminuir os efeitos do turismo de massas, enquanto sensibilizam os turistas para que assumam a sua responsabilidade e comecem a respeitar os lugares que visitam.

O excesso de pessoas em determinados locais não prejudica apenas a qualidade de vida dos residentes como também degrada a experiência do turista.

Na verdade, não há soluções rápidas para o problema e, para reduzir os seus impactos é necessária uma combinação de diversos fatores. Podemos começar por nos concentrarmos nas nossas atitudes enquanto turistas, e naquilo que podemos fazer para sermos mais amigos dos destinos:

1. Lugares menos visitados

Parece existir uma tendência para que as pessoas sigam a multidão, criando surtos de interesse que podem ser difíceis de gerir. Um estudo recente mostrou que, para Estocolmo, as cinco principais atrações respondem por 42% dos comentários do TripAdvisor. Talvez fosse interessante dispormo-nos a correr alguns riscos, pesquisar com mais atenção e encontrar experiências diferentes em lugares menos procurados.

2. Comportamentos adequados ao destino

Se queremos ser bem recebidos pelos locais devemos tem atenção à cultura e costumes do destino. Por exemplo, no Sri Lanka, na Tailândia e na Malásia quem exibir tatuagens religiosas será multado, pois trata-se de uma afronta às crenças dos nativos.

3. Época baixa

Em muitos destinos o overtourism é sazonal. Maiorca, Barcelona, ​​Veneza, Paris, Dubrovnik são muito mais tranquilos no inverno. Outro exemplo, um turista que queira visitar Machu Picchu, deve considerar ir em novembro ou abril. Talvez apanhe um ou outro dia mais húmido ou enevoado, mas tem a garantia de que se vai cruzar com muito menos turistas e desfrutar mais da experiência. Pense nisso.

4. Salvaguarda do meio ambiente

Há uma série de comportamentos que o turista pode adotar para diminuir a pegada ecológica, desde a escolha de voos diretos (menos emissões de CO2), usar garrafas reutilizáveis, para evitar o desperdício, recolher o lixo que produzir e, idealmente, o que não foi produzido por si, usar transportes públicos ou andar a pé, economizar água e energia, reutilizando as toalhas nos hotéis, são algumas das práticas possíveis.

5. Património cultural e artístico

Respeite o património artístico, arqueológico e cultural dos destinos, contribuindo para a sua preservação e transmissão às gerações futuras.

6. Produtos e artesanato locais

Fazer compras aos vendedores locais valoriza e incentiva o comércio dos destinos. Em muitos locais, grande parte da população vive dessa atividade, sendo esta uma forma de retribuir a hospitalidade e levar para casa uma lembrança da viagem.

Todos nós temos um papel a desempenhar no desenvolvimento de um turismo sustentável. Governos, organizações e comunidades devem fazer tudo o que estiver ao seu alcance para facilitar as dinâmicas do setor, mas enquanto convidados, os visitantes podem fazer a diferença.
>